Brasil

Risk Consulting 

Uma boa prática de governança significa gerenciar riscos, estabelecer sistemas de controles internos efetivos e comunicar a saúde da empresa aos proprietários, aos stakeholders e ao mercado em geral. Também se trata de prevenir fraudes, assegurar o cumprimento das regras e dos regulamentos e, em última análise, gerar valor a partir da estrutura de compliance.

Nosso contato

Nosso contato

Sidney Ito

 

Sócio-líder, Risk Consulting 

 

 +55 11 2183-3000

 

  sito@kpmg.com.br

 

Cada vez mais, os stakeholders e os investidores julgam as corporações pela sua estrutura de governança, o que significa que a transparência, a ética e a conduta e o gerenciamento das responsabilidades corporativas e sociais — Corporate and Social Responsibilities (CSR) — realmente importam.

 

Todavia, o cumprimento da legislação, das leis, dos regulamentos e das práticas de governança é frequentemente uma grande responsabilidade para as empresas, e a KPMG no Brasil pode auxiliá-las de diversas formas.

 

Gerenciando o ambiente regulatório 

 

Algumas empresas abordam suas obrigações regulamentares conforme elas são estabelecidas. Outras adotam uma abordagem ponderada e uma visão mais de longo prazo (tanto em termos de prioridades e de prazos quanto em combinação de recursos para se obter benefícios no negócio e focar na redução de custo). Em todas as jurisdições, a KPMG no Brasil traz uma ampla experiência nas normas globais e locais e nas regulamentações específicas das indústrias, tais como:

 

  • Lei Sarbanes-Oxley
  • Normas contábeis internacionais, tais como IFRS
  • Cumprimento de regulamentações específicas da indústria

 

  • Regras e regulamentações 
  • Otimizando o risco organizacional

 

Nem todo risco deve ser considerado ruim. Há oportunidades para se extrair um alto valor dele. Ao entender as suas consequências potenciais, ao contar com uma estrutura de controles eficiente em vigor e ao reduzir a ameaça de fraude, o cliente pode gerenciar o risco e transformar esse gerenciamento em vantagem competitiva. À medida que as regras de compliance vão se desenvolvendo (por exemplo: Lei Sarbanes-Oxley, JSOX, COSO, COBIT, CVM 480 etc.), deve-se evoluir o papel da auditoria interna e do compliance no nível do controle para a agregação de valor. A eficácia das empresas em identificar, mitigar e gerenciar o risco já está sendo avaliada por agências de rating e por instituições fi nanceiras. Em tal situação, um gerenciamento de controles eficaz pode ter um impacto tangível na avaliação de uma empresa.

 

Para a criação de um ambiente de gerenciamento de riscos mais eficaz, a KPMG no Brasil pode auxiliar as organizações a:

 

  • Avaliar e gerenciar o risco em toda a empresa
  • Implementar uma estrutura de controles apropriada.
  • Identificar como a empresa consegue responder melhor ao risco e se as pessoas, as políticas e os procedimentos adequados estão alocados corretamente
  • Impulsionar uma efi ciência a partir da auditoria interna. Prevenir, detectar e investigar fraudes

Linha Ética

Linha Ética

Eleve o patamar de governança por meio de um canal de comunicação seguro e independente, adotando uma postura proativa diante de fraudes, situações não éticas e desvios de conduta. Saiba mais.

Audit Committee Institute

Audit Committee Institute

Especialmente dedicado e elaborado para membros de Conselhos de Administração, Conselhos Fiscais e Comitês de Auditoria no país. 

Gerenciamento de Ativos de Software - SAM

Gerenciamento de Ativos de Software - SAM

O Gerenciamento de Ativos de Software — Software Asset Management (SAM) — é uma prática empresarial desenvolvida para reduzir os custos de Tecnologia da Informação entre outros benefícios. Confira como a KPMG pode ajudar.