Brasil

Detalhes

  • Tipo: Press release
  • Data: 19/12/2012

A cara das pequenas e médias empresas no Brasil 

Artigo aponta os fatores essenciais que podem contribuir para o sucesso de um novo negócio no país.

Que o povo brasileiro é criativo e empreendedor por natureza, todos já sabem. Estamos acompanhando nos últimos anos um upgrade nas condições socioeconômicas brasileiras, o que possibilita que essas características aflorem na forma de novos negócios, tendo reflexos em todas as camadas da sociedade.

 

Recente estudo do Sebrae apontou que 55,2% dos empreendedores pertencem à classe C. O estudo considera que este estrato da sociedade abrange famílias com renda per capita entre R$ 291 e R$ 1.019. Se incluirmos as classes DeE nessa conta, chegamos a 62,5% do total de empreendedores no Brasil. Diferentemente do que acontece em países mais ricos – onde prevalece a participação de empreendedores com maior poder aquisitivo –, apenas 37,5% dos negócios são controlados por empreendedores das classes A e B.

 

Outro dado interessante da pesquisa diz respeito à escolaridade dos empreendedores. Apenas 24% têm ensino superior; 51% completaram o ensino médio; e 25% pararam seus estudos no ensino fundamental.

 

Muitos são os fatores que têm estimulado os trabalhadores a seguirem o sonho de ter seu próprio negócio. A criação do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições, o Simples Nacional, e da EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada) fez com que diversos micro e pequenos empreendimentos saíssem da informalidade.

 

Além disso, com menos burocracia e tributação reduzida e simplificada para as PMEs, os empreendedores viram-se estimulados e puderam se arriscar na criação de empreendimentos, mesmo sem dispor de muitos recursos para investimento.

 

Com o desenvolvimento de plataformas on-line, também temos inúmeros negócios nascendo e sendo desenvolvidos apenas no mundo virtual. Ferramentas gratuitas ou acessíveis para criação de sites, lojas na internet e até aplicativos de gestão possibilitam que a economia com os investimentos iniciais em um novo negócio seja enorme. Isso sem contar empresas que já existem e que estão utilizando essas ferramentas para se expandir, se desenvolver e aumentar suas receitas.

 

Porém não podemos esquecer que optar por criar uma empresa própria exige dedicação 24 horas por dia, sete dias por semana. Portanto, é preciso estar preparado para tudo e saber planeja e estruturar o empreendimento para enfrentar todas as dificuldades que podem e devem surgir.

 

Estar bem assessorado, conhecer o mercado e suas exigências, organizar a gestão tributária, administrativa e financeira e trabalhar muito são fatores essenciais para a sobrevivência de um empreendimento. O espírito empreendedor é o impulso inicial para a criação de uma empresa, mas não se deve fechar os olhos para outro dado alarmante: quase seis  em cada dez pequenas e microempresas encerram suas atividades nos primeiros cinco anos de vida.

 

Por isso, estar preparado para as dificuldades que certamente surgirão será um dos fatores essenciais para determinar a sobrevivência de um negócio. Os empreendedores, desde os individuais, até aqueles que estão perto de se tornarem grandes, precisam compreender que manter uma boa governança e conhecimentos técnicos precisa estar aliado à criatividade e ao espírito empreendedor. Quem estiver mais bem preparado, sem dúvidas estará à frente de seus concorrentes.

 

*Lúcio Bastos é sócio-líder da área de Tributos para o Mercado Empreendedor da KPMG no Brasil

Press Release -  

Cadastre-se agora

Cadastre-se para selecionar os conteúdos de seu interesse e receba atualizações automáticas dos últimos artigos e publicações da KPMG no Brasil.  

 

Já é assinante? Faça o seu Login.  

 

Ainda não é assinante? Cadastre-se.