Brasil

Detalhes

  • Tipo: Press release
  • Data: 1/3/2013

The cloud takes shape 

Líderes do setor de TI ouvidos pela KPMG apontam que implementação e integração são os maiores desafios para adoção da nuvem.

Estudo da KPMG International indica que empresas e líderes da área de TI (tecnologia da informação) do mundo inteiro estão descobrindo que a adoção da nuvem é mais complicada do que muitos haviam originalmente previsto. De acordo com o relatório The cloud takes shape (A nuvem toma forma, em português), aproximadamente 33% dos executivos pesquisados dizem que os custos de implementação da nuvem foram mais altos do que o esperado, e uma porcentagem similar deles afirma que a integração dos serviços da nuvem à infraestrutura de TI existente foi especialmente difícil. 

 

Redesenho de processos de negócio é essencial para a implementação

 

De acordo com os autores do relatório, conforme o mercado de ofertas de serviços seguindo o modelo em nuvem amadurece, as empresas começam a lidar com aspectos práticos desafiadores para a viabilização da mesma. Há evidências de que as organizações estão colocando um foco maior em acertar o redesenho dos processos, facilitando as mudanças adequadas e introduzindo melhorias no modelo de negócios.

 

“Uma das lições mais importantes que foi descoberta por esta pesquisa é que o redesenho dos processos precisa ser feito juntamente com a adoção da nuvem se as organizações quiserem obter todo o potencial de investimento em virtualização”, afirma Rick Wright, líder do Programa Global de Viabilização da Nuvem e diretor da KPMG nos Estados Unidos. “Os executivos descobriram que o redesenho de processos simultaneamente à implementação do novo modelo é fundamental para abordar as complexidades que frequentemente aparecem nas fases de implementação e operação da adoção da nuvem.”

 

A pesquisa mostra que, apesar dessas complexidades emergentes, os executivos ainda acreditam que os benefícios da adoção da nuvem superam quaisquer dificuldades iniciais que possam experimentar ao longo da implementação. Em parte, isso ocorre porque as organizações estão mudando seu foco de objetivos puramente de redução de custos para se concentrarem na realização dos benefícios transformacionais da nuvem.

 

Embora para quase metade dos entrevistados a redução de custos ainda seja a principal razão para a adoção da nuvem, 28% também disseram que a velocidade em que eles são capazes de migrar para a nuvem é importante, assim como a capacidade da nuvem para permitir a entrada rápida em novos mercados (27%) e a transformação do processo de negócio (22%).

 

"Obter uma economia real de custos a partir da nuvem é mais do que simplesmente mudar dos custos fixos para custos operacionais. A maior redução de custos – e, mais importante ainda, os benefícios transformacionais de negócios – virá dos resultados de longo prazo, tais como processos mais eficientes e modelos operacionais mais flexíveis", avalia Frank Meylan, sócio-líder da área de Management Consulting da KPMG no Brasil. “Isto é uma realidade no mundo e não deixa de ser uma verdade aqui no Brasil. O problema é que alguns processos são bastante complexos, e a aversão aos riscos acaba sendo considerável na análise dos gestores”, acrescenta o executivo.

 

Steve Salmon, consultor líder da KPMG no Reino Unido, diz ainda que, conforme a nuvem sobe no ranking como uma ferramenta estratégica de negócios, "vamos começar a ver o papel dos CIOs (chief information officers) se tornar cada vez mais crítico, como patrocinadores da integração de negócios nos níveis comerciais, processuais e técnicos."

 

Desafios novos e emergentes da nuvem

 

As empresas estão começando a entender mais claramente alguns dos outros aspectos da nuvem que podem melhorar ou piorar significativamente a capacidade das organizações de colher os frutos de sua adoção:


Segurança:
Os executivos das empresas reconhecem que a adoção da nuvem deve melhorar a segurança, e não diminuí-la, embora 26% dos entrevistados ainda vejam a segurança como um desafio importante. O relatório indica que os executivos reconhecem que a única forma de abordar essas preocupações é trabalhar de maneira mais próxima com o pessoal de TI para desenvolver uma abordagem conjunta de segurança da nuvem para garantir que as soluções e serviços dos provedores de nuvem sejam confiáveis e protegidas.

 

Muitas empresas estão comprovando sua confiança crescente na segurança da nuvem com mais de um terço dos entrevistados dizendo que irão migrar suas operações principais de serviços e compras, cadeia de fornecimento e logística para a nuvem dentro dos próximos 18 meses.

 

"A segurança – perda de dados e privacidade – ainda é uma preocupação significativa para as empresas e líderes de TI, mas muitos estão rapidamente ganhando mais confiança em seus prestadores de serviços", diz Greg Bell, diretor da KPMG nos Estados Unidos.

 

Regulação:Apenas 18% dos entrevistados acham que a regulação do segmento é um desafio, mas isso pode ser devido à complacência, sugerem os autores do relatório, pois as organizações podem estar somente começando a se preparar para as complexidades que surgirão com a maior conformidade regulatória. Os entrevistados das Américas têm uma tendência 10% maior de ver as regras como um desafio fundamental do que seus pares da região Ásia-Pacífico.

 

“Não vai demorar muito para que os reguladores comecem a fiscalizar as novas regras que terão impacto na forma como as organizações globais usam a nuvem”, afirma Shahed Latif, diretor da KPMG nos Estados Unidos. Quase 24% dos entrevistados disseram que estão considerando ambientes “privados” de nuvem como forma de abordar os desafios regulatórios.  

 

Impostos:Segundo a pesquisa, somente 5,5% dos entrevistados consideram globalmente a estrutura tributária como um desafio para a adoção da nuvem, e muitos entrevistados dizem que suas organizações estão equipadas com as ferramentas necessárias para superar os desafios de implicações fiscais incertas, conforme continuam a migrar mais operações de negócios para a nuvem. 

 

"Obter uma assessoria tributária estratégica deve ser uma etapa crítica no processo de planejamento da nuvem", diz Steven Fortier, diretor de Tax da KPMG nos Estados Unidos. “Departamentos fiscais esclarecidos devem encontrar muitas oportunidades para garantir que a estrutura fiscal dos serviços de nuvem sejam as mais eficientes.”

 

Sobre o relatório

 

Ao final de 2012, a KPMG, em parceria com a Forbes Insight, realizou uma pesquisa na web com 674 altos executivos em organizações que usam a nuvem em 16 países para avaliar a situação e o impacto da adoção de nuvem ao redor do mundo. Os países incluídos na pesquisa foram: Alemanha, Arábia Saudita, Austrália, Brasil, Canadá, China, Cingapura, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, França, Holanda, Índia, Israel, Itália, Japão e Reino Unido. O relatório combina os dados da pesquisa com análises dos líderes da área de Nuvem da KPMG para fornecer uma perspectiva realista dos desafios e complexidades que as organizações atuais enfrentam. 

 

Outras conclusões do estudo:

 

  • Mais da metade das organizações já está trabalhando com a nuvem;
  • 70% daqueles com experiência na nuvem dizem que este sistema já melhorou a eficiência e promoveu significativa economia de custos.
Press Release -  

Cadastre-se agora

Cadastre-se para selecionar os conteúdos de seu interesse e receba atualizações automáticas dos últimos artigos e publicações da KPMG no Brasil.  

 

Já é assinante? Faça o seu Login.  

 

Ainda não é assinante? Cadastre-se.