Brasil

Detalhes

  • Tipo: Press release
  • Data: 20/9/2013

Mineração: dependência da China é fator de risco 

Em 2012, aproximadamente 45% da produção nacional de minério de ferro foram exportadas à China

Texto: Ulysses Magalhães*

Uma das maiores economias emergentes do mundo e com um setor de mineração significativo, o Brasil alcançou posições consideráveis para a indústria. Em 2012, a produção mineral atingiu US$ 51 bilhões e o País foi o maior produtor de nióbio, o segundo maior de minério de ferro e o terceiro na prospecção de bauxita . Apesar dos bons números registrados, a mineração brasileira enfrentou, nos últimos meses, inúmeros desafios que causaram uma retração no mercado e fizeram o lucro de algumas das empresas do segmento recuar. A principal causa, e a mais preocupante, é a dependência que a economia mineradora tem do mercado externo e, em particular da China.

 

Para se ter uma ideia, em 2012, cerca de 80%  da produção nacional de minério de ferro foram exportadas, sendo que, aproximadamente, 45% foram  destinadas à China, de maneira que, qualquer mudança na economia asiática afeta a indústria mineral brasileira de modo significativo. Nesse mesmo ano, o preço do minério de ferro atingiu um dos menores patamares em anos recentes, ao despencar de cerca de US$ 148 para US$ 94 a tonelada, atingindo níveis próximos aos da crise econômica de 2009. Felizmente, no 2º semestre de 2013, os preços começaram a apresentar recuperação impulsionados pelas recentes e boas notícias do crescimento industrial chinês e a retomada do crescimento na Europa, bem como, as empresas brasileiras do segmento têm se beneficiado com a desvalorização cambial do real.

 

O recuo do valor do minério em 2012, principal produto de exportação desse segmento, acendeu a luz amarela, e deixou os investidores apreensivos, criando um ambiente de incertezas. A economia do país asiático mostrou sinais de que estava em desaceleração, o que causou efeitos negativos nas mineradoras brasileiras, atingindo em cheio as de menor porte. Os reflexos da redução do apetite chinês puderam ser sentidos e ficaram claros na pauta de exportações brasileiras, em 2012, quando o minério de ferro alcançou US$ 30 bilhões, uma redução de 33% em relação ao US$ 41 bilhões de 2011. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, o produto registrou cerca de US$ 14,9 bilhões em exportações somente para a China, uma redução de 24,24% em relação aos US$ 19,79 bilhões  de 2011. 

 

Diante desse cenário volátil, as mineradoras brasileiras têm sido desafiadas adaptar-se a essa nova realidade para que possam se manter competitivas no mercado. Esse quadro está levando as empresas a considerarem um novo fator de risco em seu planejamento estratégico para médio e longo prazos. A dependência da economia chinesa aparece como um ponto primordial, capaz de garantir ou não o sucesso de uma companhia. A atuação eficiente em um ambiente de grande concorrência e de preços instáveis é crucial para os participantes que visam boas oportunidades, o que vai levar muitas empresas a repensar seus planos de negócios, realocar capital e cortar custos.

 

O segmento de mineração brasileiro ainda enfrenta outros fatores que acabam interferindo no crescimento do mercado e que têm um peso importante na tomada de decisão dos investidores estrangeiros interessados em adquirir fatias desse mercado e que planejam se instalar no País.

 

Entre eles, estão a alteração no marco regulatório da mineração, cuja revisão está sendo retirada da pauta de urgência da Câmara dos Deputados e, portanto corre sérios riscos se não estar concluída este ano e que tem na agenda principal a discussão sobre a melhor e mais justa forma de cobrança de royalties (CFEM) sobre a exploração de minérios, a implementação de um processo de licenciamento mais ágil e eficiente e a criação de uma agência reguladora para o setor.

 

A implementação dessas mudanças, desde que concluídas brevemente e sujeita a um apropriado debate da sociedade, pode ser considerada um avanço positivo e terá como foco tornar o processo e a gestão do setor mais eficiente e atraente aos investidores.

 

A despeito desses desafios, as perspectivas para o setor brasileiro são positivas. Apesar de não ter garantias de que a China vá atingir de fato o crescimento projetado até 2040, as previsões de analistas são otimistas diante dos mais recentes números relativos à economia do país que teve crescimento de 7,5% no PIB, no primeiro trimestre de 2013 e, principalmente, com a tendência de expansão dos centros urbanos da China. Além disso, a cada ano que passa, uma série de novos investidores tem considerado a possibilidade de atuar na mineração por aqui. Vale lembrar que os investimentos planejados para o segmento mineral brasileiro até 2015 são de R$ 68,5 bilhões, um aumento de 10,5% com relação ao ano passado. Todos esses fatores indicam que a indústria está prestes a dar sinais de recuperação.

 

* Ulysses Magalhães é sócio da KPMG no Brasil na área de Mineração

 

 

Sobre a KPMG

A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente em 156 países, com 152.000 profissionais atuando em firmas-membro em todo o mundo. As firmas-membro darede KPMG são independentes entre si e afiliadas à KPMG International Cooperative ("KPMG International"), uma entidade suíça. Cada firma-membro é uma entidade legal independente e separada e descreve-se como tal.

 

No Brasil, a organização conta com aproximadamente 4 mil profissionais distribuídos em 20 cidades de 11 Estados e Distrito Federal.

 

Twitter: twitter.com/@KPMGBRASIL

Site: kpmg.com/BR

 

Atendimento à Imprensa

RicardoViveiros & Associados - Oficina de Comunicação (RV&A)

Marcel Trinta - marcel.trinta@viveiros.com.br - 11 3736-1127

Bianca Antunes - bianca.antunes@viveiros.com.br - 21 3218-2024

Caroline Norberto - caroline@viveiros.com.br - 11 3675-5444

Roberta Freitas - roberta.freitas@viveiros.com.br - 21 3218-2079

Lígia Daniele – ligia.daniele@viveiros.com.br - 11 3675-5444

 

Twitter: twitter.com/@RVComunicacao

Facebook: facebook.com/ricardoviveiroscomunicacao

Site:  viveiros.com.br

 

Compartilhe

Compartilhe isso

Cadastre-se agora

Cadastre-se para selecionar os conteúdos de seu interesse e receba atualizações automáticas dos últimos artigos e publicações da KPMG no Brasil. 

 

Já é assinante? Faça o seu Login.  

 

Ainda não é assinante? Cadastre-se.