Brasil

Detalhes

  • Tipo: Press release
  • Data: 4/9/2013

Mineração: à espera do novo marco 

A indústria de mineração no Brasil está prestes a enfrentar uma grande mudança. *Por Luis Wolf Trzcina
A indústria de mineração no Brasil está prestes a enfrentar uma grande mudança com a criação do novo Código de Mineração. O documento traz uma série de alterações nas regras de funcionamento do segmento, um dos mais importantes do país, e pode ser considerado um avanço necessário para a área que hoje vive uma nova realidade. Alterado através do projeto de Lei 5.087, de 2013, o marco regulatório já passou pela Câmara e se encontra no Congresso para avaliação.

 

Carregando uma boa dose de complexidade, o novo marco tem 59 artigos e já recebeu mais de 370 emendas parlamentares. Entre os assuntos, o novo documento abrange temas complexos como o aumento da alíquota da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), o chamado royalty da mineração, estabelecido pela Constituição de 1988, no artigo 20, parágrafo 1º. Com a nova proposta, a alíquota-base da CFEM passa de 2% para o teto de 4%. Além disso, não mais seriam possíveis as deduções das despesas com seguros e transportes (o que acaba por prejudicar aquelas minas que se encontrem distantes das unidades de beneficiamento), mantendo-se apenas as deduções das despesas com tributos. Ainda que a nova regra nos pareça mais restritiva, ao prever a possibilidade de dedução dos tributos efetivamente pagos, ao passo que a norma vigente define serem dedutíveis os tributos incidentes sobre a comercialização do produto mineral.

 

Estão previstas outras mudanças no setor, como alterações na estrutura com a criação do Conselho Nacional de Política Mineral e da Agência Nacional de Mineração (ANM) e extinção do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM); mudanças no contrato de Concessão para Pesquisa e Lavra e nas licitações, que serão definidas pelo Conselho Nacional.

 

Antes mesmo de ser colocado em prática, o novo marco regulatório já provoca discussões. De um lado, os profissionais acreditam que ela vá aquecer o segmento, abrindo novas oportunidades e dando um formato mais delineado para a exploração de minério que deve ficar parecido com o de petróleo. De qualquer forma, haverá necessidade de ter profissionais com experiência técnica e conhecimento estratégico para estruturar o retorno sobre o capital investido com expertise para viabilização do negócio. Além disso, espera-se ganhar dinamismo no trâmite de licenças criando mais oportunidades para a cadeia de exploração de minério.

 

Por outro lado, alguns envolvidos no setor como os construtores e fornecedores de materiais precisarão de níveis gerenciais para gestão de contratos e operações. Acompanhando os desdobramentos de perto, as grandes companhias serão as mais atingidas com o novo marco, principalmente por causa do aumento da carga representada pelas alterações na CFEM.

 

Discussões à parte, há uma preocupação adicional que é a estagnação do setor à espera do novo marco, o qual espera-se que seja aprovado de pronto (ainda que não nos pareça que vá ocorrer de maneira tão célere assim). O governo tem liberado uma ou outra portaria de lavra, mas há muito tempo não emite nenhum alvará de pesquisa e, estima-se que haja milhares de pedidos de pesquisa em aberto no DNPM. De qualquer forma, esse é o momento para o setor e o governo acertarem o ponto ideal para as ações que envolvem o setor e que vão delinear a indústria por pelo menos nos próximos 50 anos.

 

* Luis Wolf Trzcina é gerente da área de tributos internacionais da KPMG no Brasil

 

 

 

 

Sobre a KPMG

A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente em 156 países, com 152.000 profissionais atuando em firmas-membro em todo o mundo. As firmas-membro darede KPMG são independentes entre si e afiliadas à KPMG International Cooperative ("KPMG International"), uma entidade suíça. Cada firma-membro é uma entidade legal independente e separada e descreve-se como tal.

 

No Brasil, a organização conta com aproximadamente 4 mil profissionais distribuídos em 20 cidades de 11 Estados e Distrito Federal.

 

Twitter: twitter.com/@KPMGBRASIL

Site: kpmg.com/BR

 

Atendimento à Imprensa

RicardoViveiros & Associados - Oficina de Comunicação (RV&A)

Marcel Trinta - marcel.trinta@viveiros.com.br - 11 3736-1127

Bianca Antunes - bianca.antunes@viveiros.com.br - 21 3218-2024

Caroline Norberto - caroline@viveiros.com.br - 11 3675-5444

Roberta Freitas - roberta.freitas@viveiros.com.br - 21 3218-2079

Lígia Daniele – ligia.daniele@viveiros.com.br - 11 3675-5444

 

Twitter: twitter.com/@RVComunicacao

Facebook: facebook.com/ricardoviveiroscomunicacao

Site:  viveiros.com.br

 

Compartilhe

Compartilhe isso

Cadastre-se agora

Cadastre-se para selecionar os conteúdos de seu interesse e receba atualizações automáticas dos últimos artigos e publicações da KPMG no Brasil. 

 

Já é assinante? Faça o seu Login.  

 

Ainda não é assinante? Cadastre-se.